Praça Luiz Antonio do Amorim

por Câmara de Indiaporã última modificação 18/01/2018 15h23
Praça Luiz Antonio do Amorim, na cidade de Indiaporã, é a denominação da Praça da Matriz, conforme a Lei 14/1971 Indiaporã SP 10/10/1971, projeto de lei de autoria do vereador Jesus Inácio de Souza.

==============================================================================================

Lei 14/1971 Indiaporã SP 10/10/1971 - Praça Luiz Antonio do Amorim

==============================================================================================

Fica o Logradouro Público denominado Praça da Matriz, alterado a denominação para PRAÇA LUIZ ANTONIO DO AMORIM.

===========================================================================================

Praça Luiz Antonio do Amorim na cidade de Indiaporã é o nome de um dos fundadores do município.

LUIZ ANTONIO DO AMORIM

          O senhor Luiz Antonio do Amorim, popular Luiz Caetano, era casado com Dona Laudelina Francisca de Morais e conceberam 10 filhos: Olivia Francisca de Morais, Joaquim Luiz do Amorim, Olímpia Luiza de Morais (Fiíca), Adolpho Luiz do Amorim, Joana Luiz de Souza, Henrique Souza do Amorim, Delmira Luiza da Silva (Santinha), Dorvina Luiza de Souza, Maria Morais do Amorim e Izoldina Luiza de Morais.

          Mudou-se de Paulo de Faria, em 1937, para Itaporã, onde era agregado do senhor Othaydes Luiz Arantes.

               Vieram juntos, todos os seus filhos e seu genro, Francisco Leonel Filho, casado com Dona Olímpia Luiza de Morais (Fiíca), que foi o idealizador da fundação de Indianópolis.

               O senhor Luiz comprou uma gleba de terras do senhor César Moura, às margens do ribeirão Água Vermelha.

               Foi o fundador da Vila de Indianópolis.

               O carro-de-boi que trouxe a mudança foi fretado junto ao senhor Almiro Jacó e levaram 4 dias de estrada, isso porque aproveitaram até mesmo a madrugada para caminharem.

               Trouxe gado e cachorros caçadores de onça, além de armas de fogo, como carabinas e revólveres.

               Caçar onças era o hobby do senhor Luiz, pois os homens daquela época achavam que exterminas as onças era necessário, pois essa espécie de animal selvagem atacava os animais domésticos e os matavam e comiam.

               Dona Joana, sua filha, afirmou no livro “Memórias de Indiaporã”, do autor Adelino Francisco do Nascimento, 1999, Editora Ferjal que, certa vez, ela e sua irmã Fiíca carregaram num banguê, numa distância de 8 quilômetros, uma onça que media aproximadamente um metro e meio, morta pelo seu pai.

               Os companheiros de caçadas do senhor Luiz eram Zequinha Leonel, Manoel Abóbora e Marcos.

               Luiz Antonio do Amorim era católico e tinha a missão de abrir e fechar a igreja todos os dias, além de dar corda e acertar o relógio da mesma.

               O senhor Luiz faleceu em Indiaporã, no dia 29 de julho de 1974, com 85 anos de idade.

               Dona Laudelina era fiandeira e quitandeira. Faleceu em 20 de março de 1989, com 95 anos de idade.

               Luiz Antonio do Amorim tem sua memória reverenciada pela população de Indiaporã cuja praça central leva o seu nome, numa justa homenagem.

=======================================================================

Texto acima extraído do Livro Memórias de Indiaporã, Editora Ferjal 2000, Adelino Francisco do Nascimento, páginas 46 e 47.

=======================================================================

Luís Antônio do Amorim, vulgo Luís Caetano, fundador da cidade de Indiaporã, Estado de São Paulo, nasceu em 27 de maio de 1889, na cidade de Lageado, Estado de Minas Gerais, filho de Caetano Machado e de Catarina Ferreira do Amorim.

Veio para o Estado de São Paulo,, com 06 anos de idade, fixando residência na cidade de Paulo de Faria, de onde mudou-se para a nossa região no ano de 1937.

O saudoso fundador era lavrador e sitiante. Faleceu em Indiaporã, no dia 29 de julho de 1974, com 85 anos de idade.

=======================================================================

Texto acima extraído do Livro Memórias de Indiaporã, Editora Ferjal 2000, Adelino Francisco do Nascimento, página 83.